Seja bem-vindo ao Madelyn Cline Brasil, sua maior e melhor fonte brasileira sobre a atriz Madelyn Cline. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue no menu e divirta-se com todo o nosso conteúdo. Somos um fã site não-oficial, sem fins lucrativos e não possuimos qualquer ligação com Madelyn Cline, sua família ou seus representantes. Esperamos que goste e volte sempre!
28.08.20

Por Amanda McFadden (maio de 2020).

Você está procurando o que deve assistir a seguir nessa quarentena? Assista Outer Banks, que já está disponível na Netflix!

Nós conversamos com uma de suas estrelas – Madelyn Cline, que interpreta a garota de ouro Sarah Cameron. Ela se abriu sobre a série, os roteiristas e como ficou em quarentena com parte do elenco em Los Angeles! Como uma lufada de ar fresco, a entrevista de Madelyn veio com equilíbrio, risos e uma visão perspicaz do que ela aprendeu dos melhores. Isso… e também um novo programa para ficar obcecado!

Então, vamos ouvir! O que é Outer Banks e o que devemos estar mais animados em ver?

Outer Banks é se como se The OC conhecesse The Goonies e Dawson’s Creek. É um programa divertido, de ação/aventura e para jovens adultos. Eu amo isso porque é envolvente e te prende. Os personagens, na minha opinião, são muito divertidos. Eles são o tipo de pessoa que você assiste e você quer se envolver no que eles estão fazendo e ser o melhor amigo deles!

Você cresceu na Carolina do Sul, já passou algum tempo em Outer Banks?

Sendo completamente honesta, nunca o visitei. Eu adoraria. Nossos criadores, Jonas e Josh [Pate] são gêmeos e cresceram e passaram muito tempo lá. Essa foi uma das principais coisas que eu queria fazer antes do show terminar. Eu queria voar de volta para a costa leste e visitar Outer Banks apenas para ter uma ideia da história. Obviamente, por causa da quarentena, isso foi colocado em espera. Minha família é da Carolina do Norte, mas eu sou de Charleston, Carolina do Sul. Então, eu não estou muito longe. Eu cresci na costa e ir e filmar o show realmente foi como voltar para casa.

Que desafios você enfrentou ao filmar Outer Banks? Entendo que você teve que mudar as filmagens para a Carolina do Sul devido à legislação anti-LGBT +. O que aconteceu?

O show é uma carta de amor para os criadores que cresceram em Outer Banks. Mudamos as filmagens para Charleston, e realmente queríamos filmar em Outer Banks para mantê-las o mais próximo possível da história – mas, obviamente, por causa da Casa Bill 2 e depois da revogação da HB142…A lei é muito discriminatória e muito homofóbica. E isso não é algo que nosso elenco, equipe ou Netflix jamais tolerarão ou endossarão porque nossa série se trata de inclusão. Nosso programa, mesmo em nossa história, é sobre deixar rótulos de lado e aceitar as pessoas por quem elas são. Então isso não é algo que defendemos. Não queríamos que ninguém se sentisse excluído.

Diz-se que seu personagem de Sarah Cameron é cordial e perspicaz. Você diria que esse personagem se assemelha a você na vida real?

Sarah e eu temos algumas coisas em comum. No começo, Sarah é a presidente dos Kooks, se você preferir. Ela é de uma família muito rica e conhecida em sua cidade natal. Ela está namorando o garoto de ouro, ela é o tipo de garota de ouro. À medida que a série avança, você começa a vê-la quebrar esse molde e vê-la começar a surgir e formar sua própria identidade e opiniões e começar a se defender. Ela quebra o molde do que se espera dela.

E dessa maneira, eu me identifico absolutamente com Sarah. Foi daí que eu vim com ela. Comecei com inseguranças e disse: ‘Sobre o que é essa garota insegura? Por que ela faz essa transição na história?’ E nisso, você pode simpatizar com ela. Todos nós passamos por uma transição em nossas vidas em que começamos a desenvolver nossas próprias opiniões e idéias sobre o mundo e começamos a perceber que talvez o que está ao nosso redor possa não ser algo com o qual concordamos. Vemos a jornada de Sarah através do show. É uma parte do crescimento, encontrar a sua própria voz.

Existe algo para todos no elenco?

Absolutamente! Temos muita sorte de ter o elenco e a equipe que temos, porque eles são incrivelmente talentosos. Como artistas, eles são incrivelmente empáticos e trazem tanta nuance para seus personagens. Eu acho que todo mundo pode encontrar algo em qualquer um de nossos personagens com o qual eles possam se relacionar, olhar e querer imitar. Você tem Kiara (interpretada por Madison Bailey), que é durona e um pouco durona, e Sarah, que começa a encontrar seus próprios pensamentos e opiniões; você tem John B [interpretado por Chase Stokes], que apenas vai até os confins da terra para defender o que ele acredita. JJ [interpretado por Rudy Pankow], que fará qualquer coisa por uma tendência, e você terá Pope [ interpretado por Jonathan Daviss], que passa por essa grande transição em que, da mesma maneira, ele vai até os confins da terra para defender o que acredita, mesmo que o mundo esteja dizendo a ele que está errado. Eu sinto que nosso elenco é realmente sortudo. Não queríamos falsificar nenhuma dessas emoções e espero que as pessoas vejam isso.

De quais colegas de elenco você ainda mantém contato?

Somos todos muito próximos, para ser sincera! No momento, estou em quarentena com Drew [Starkey, que interpreta Rafe], Chase, Rudy, e fizemos uma chamada de zoom com Austin [North, que interpreta Topper] na outra noite. Madison Bailey está na costa leste agora em quarentena, mas todos estamos sempre conversando. Na verdade, é como um grande e velho jantar de Ação de Graças. É maravilhoso. É tão especial ter um elenco com o qual você se aproxima. Não é algo que eu já experimentei nessa capacidade. Eles são minha família, meus amigos ao longo da vida. É bom poder compartilhar essa experiência com eles enquanto estamos em quarentena. Na maioria das vezes, somos todos da costa leste e ficamos presos aqui em LA, na costa oeste, e todos nos apoiando um no outro. É bem especial.

Há conversas sobre uma segunda temporada?

Obviamente, como elenco, falamos sobre isso. É claro que queremos que isso aconteça, mas… nada está confirmado ainda. Todos gostaríamos de nada mais do que voltar e fazer tudo de novo para uma segunda temporada. E por causa da quarentena, tudo está meio que em espera no momento. Espero que, se as pessoas estiverem entediadas em casa, liguem a Netflix, sabe?

Vamos mudar um pouco de assunto e falar sobre Stranger Things. Quem você estava mais animado para conhecer? Quem mais te surpreendeu (bom ou ruim)?

Eu interpretei Tina em Stranger Things, na segunda temporada. Conheci Natalia [Dyer], Joe [Keery] e conheci brevemente Finn [Wolfhard], Millie [Bobby Brown] e Gaten [Matarazzo], além de Charlie [Heaton] e Noah [Schnapp]. Eu conheci praticamente o núcleo. Não tive a chance de conhecer David Harbour ou Winona Ryder. Eu conheci Dacre [Montgomery]; Eu tive uma breve cena com ele. E esse foi um momento louco para mim. Um ano antes de conseguir o papel, eu estava em casa me recuperando de arrancar meus dentes do siso. Eu estava sentada no sofá sem nada para fazer. Eu estraguei a temporada inteira de Stranger Things em dois dias e estou obcecada com isso. Então, um ano depois, para conhecê-los e vê-lo em ação – eles são humanos tão bondosos. Esse foi um momento de fangirl, mesmo que eu estivesse tentando manter a calma.

Seu personagem deu uma festa de Halloween! Como você se sentiu ao dar a festa icônica em que Nancy bêbada repreende Steve?

Quando estávamos filmando, eles me deram esses panfletos para distribuir o que dizia ‘Fique com cara de folha’, então eu achei isso muito divertido. Eu amo um bom trocadilho. Então chegamos à casa, e foi uma loucura absoluta que eu nunca experimentei no ensino médio. Foi tão legal. Eu nunca tinha visto alguém fazer um barril antes, mas Dacre fez um barril e todos estávamos gritando por ele. Noites como as do set, quando você faz grandes cenas de festas, são como festas. Todo mundo está tão louco e empolgado. Todo mundo está alimentando essa energia e é muito divertido a noite toda. Foi muito divertido filmar. Fiquei muito orgulhosa por ter sido a festa da Tina. Eu não sei onde os pais dela estavam? … Mas quem sabe? Ela tem que dar uma festa.

Como você gostaria que a quarta temporada fosse?

Honestamente, eu amei a terceira temporada. Foi uma das minhas temporadas favoritas até agora. Obviamente, a 1ª temporada, por mais icônica que seja, a 3ª temporada é um segundo próximo. Eu amo o personagem de Maya Hawke [Robin Buckley]. Ela é durona, peculiar, engraçada e você quer ser como ela. Ela é apenas uma garota legal. Eu pensei que ela fez um trabalho incrível. Adoro a dinâmica que todos trouxeram nesta temporada.

Na quarta temporada? Eu não sei. É o que acontece com os Duffer Brothers [criadores de Stranger Things]; eles têm tantos truques nas mangas. Estou interessada em ver para onde eles levarão a seguir. Essa é a coisa mais empolgante da série e do jeito que ela é. É sempre uma surpresa.

Você acha que Tina deveria voltar e fazer outra festa na quarta temporada?

Eu adoraria isso! Eu absolutamente adoraria isso! Tina, anos depois. Ela ainda está no ensino médio? Nós não sabemos. Talvez.

Com seu filme Boy Erased, o público teve fortes reações ao seu foco na terapia de conversão…Como foi filmar uma questão tão controversa?

Eu achei que foi incrível. Quando comecei minha sessão de diretor com Joel [Edgerton], nunca havia lido o livro. Saí e imediatamente comprei e li o livro – e fiquei chorando enquanto o lia. Foi tão comovente. Foi aí que me ocorreu que eu tive a oportunidade de ajudar a compartilhar essa história na tela. Eu estava pronta; Eu queria fazer parte disso.

Eu sabia que tinha que fazer o que pudesse para ajudar a contar a história. Especialmente sendo do sul, eu acho que tanto quanto amo de onde sou … obviamente, crescendo, você vê que há problemas com a inclusão. Ser capaz de conhecer o autor [Garrard Conley] e sua mãe, que era essa maravilhosa mulher do sul, e também conhecer pessoas que crescem lutando com a identidade e poder contar essa história era tão importante para mim e abrir iniciar essa conversa. Para mim, é disso que se trata a narrativa. É sobre abrir conversas e manter um espelho para a humanidade. Eu estava tão orgulhosa de fazer parte disso.

Você já conheceu alguém que passou por terapia de conversão?

Eu nunca conheci alguém antes do filme. Eu nunca ouvi falar disso e, quando li o livro, fiquei horrorizada. Ouvir e ler que isso era uma coisa e que não era ilegal … eu não podia acreditar que esse tipo de falta de humanidade ainda era legal em alguns estados.

Joel Edgerton escreveu, estrelou, dirigiu e produziu o filme. O que você diria ser a parte mais gratificante de trabalhar ao lado dele?

Joel fez a adaptação para a tela do livro escrito por Garrard. Ele dirigiu e estrelou e também produziu. Ele usava muitos chapéus.

Joel colocou todos nós sob suas asas e garantiu que todos tivéssemos um minuto para conversar com ele todos os dias, meio que em particular sobre o desenvolvimento de nosso personagem e para onde ele queria que fosse. Ele nos incentivou a conversar um com o outro e em grupo. Ele realmente queria que fosse um desenvolvimento pessoal em todos nós. Era muito importante para ele que todos nós, individualmente, desenvolvêssemos nossos personagens e encontrássemos nossas verdades nisso. Eu sei que para os atores que estavam atuando no campo de conversão, todos escreveram em um diário, como fizeram no filme. Era uma declaração pessoal do próprio coração que ninguém mais escreveu para eles. Esse foi o desenvolvimento de seus personagens. Ele realmente cavou fundo com todos nós. Ainda acompanho algumas pessoas do Boy Erased e ainda hoje conversamos sobre o impacto que o filme teve sobre nós. Da mesma forma, como conversávamos anteriormente sobre Outer Banks e como não queríamos falsificar a experiência adolescente, em Boy Erased, nunca quisemos falsificar a emoção humana de passar por esse tipo de circunstância. Seja Chloe passando por esse período confuso com Garrard ou passando por um campo de conversão. Sem Joel e essa conexão, não sei se o filme teria sido o que é.

Você trabalhou com muitas estrelas A-list e atores e intérpretes incríveis ao longo de sua carreira, mas quem você diria ser o mais memorável? Por quê? O que você aprendeu com eles?

Afastei-me muito de todos com quem trabalhei, mesmo de atores que não são A-Listers. Eu tive a oportunidade de trabalhar com muitos atores e pessoas incríveis. Em Boy Erased, obviamente, Joel causou um enorme impacto em mim. Ele me ensinou muito sobre empatia. Ele também me ensinou muito sobre artesanato e sobre como fazer algo e encontrar sua verdade.

Trabalhando com Lucas Hedges também, ele era incrível de trabalhar e um humano tão gentil. Quando você vê alguém que aborda seu trabalho com esse tipo de empatia e ética, isso realmente o empurra. Meu elenco em Outer Banks, nunca fiz parte de um projeto que durou tanto tempo. Há resistência que vem de estar no set por meses a fio. Somos todos novos aqui, mas não faltam ética ou talento no trabalho. E eu aprendi tanto como pessoa. Aprendi a bondade, a dar a outra face, a ser lenta em julgar e aprendi o que é a família. Vai além da palavra.

O período de isolamento / quarentena deve ser extremamente desafiador para a atuação. Como você está lidando e se mantendo ocupada?

A indústria está fechada. Nós [elenco do Outer Banks] estivemos muito ocupados promovendo o programa e postando sobre ele no lugar da estréia. Parte do elenco está em quarentena. Estamos todos nos mantendo seguros. Vamos subir o telhado e assistir o pôr do sol. Se estiver quente, vamos lá fora, colocar uma música e curtir. Ficamos assistindo Harry Potter, Piratas do Caribe, Rei Tigre … Deus, o que mais. Temos cozinhado ‘jantares em família’ e muito FaceTime. Se eu estivesse sozinha, ficaria louca, não sei o que faria sem eles!

Matéria: 1883 Magazine.

disclaimer
O Madelyn Cline Brasil é um fã site não-oficial, sem fins lucrativos, e não possui qualquer ligação com Madelyn, sua família ou seus representantes. Todo o conteúdo aqui apresentado, tais como notícias, traduções e gráficos, pertence ao site a não ser que seja informado o contrário. Nós não reivindicamos direito de propriedade sobre nenhuma foto em nossa galeria, as mesmas pertencem aos seus respectivos donos e estão sendo usadas de acordo com a lei americana de Fair Use § 107.
Layout criado e desenvolvido por Lannie.D | Host: flaunt.nu