Seja bem-vindo ao Madelyn Cline Brasil, sua maior e melhor fonte brasileira sobre a atriz Madelyn Cline. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue no menu e divirta-se com todo o nosso conteúdo. Somos um fã site não-oficial, sem fins lucrativos e não possuimos qualquer ligação com Madelyn Cline, sua família ou seus representantes. Esperamos que goste e volte sempre!
02.11.20

Por Patricia Tortolani (1 de novembro de 2020).

Como a estrela da série de sucesso da Netflix Outer Banks, a atriz Madelyn Cline reflete sobre amadurecimento, se apaixonar e encontrar sua voz em tempos imprecisos.

Qual foi o melhor verão de sua vida?
Você sabe, o ano em que você se sentiu selvagem e livre, se apaixonou, encontrou sua voz, rolou na areia, assistiu ao nascer do sol. Todos nós tivemos um. Daí o apelo de Outer Banks, o grande sucesso do verão 2020. A história da Netflix – com um elenco de atores bronzeados, em forma e ridiculamente bonitos – que nos deixou mesmerizados enquanto estávamos presos em casa de moletom.

Mas o engraçado é que, quando você dá um passo para trás, Outer Banks é muito mais do que um verão americano fictício quente e sexy. O programa oferece comentários brutalmente honestos sobre o classismo e preconceito sob o disfarce de um drama adolescente. Um fato não perdido pela atriz Madelyn Cline, que interpreta a garota rica Sarah Cameron: Se você der uma olhada nas redes sociais de Cline, é claro que a jovem de 22 anos, que deixou sua casa na Carolina do Sul para seguir carreira em Los Angeles, de fato encontrou sua voz – e está preparada para usá-la.

Acabei de maratonar a primeira temporada de Outer Banks. POR FAVOR me diz que a segunda temporada está chegando!
Estamos já atualmente cerca de um mês filmando em Charleston. E estou tão animada como todo mundo!

Muito mudou desde que você gravou a primeira temporada. A vibe no set está diferente dessa vez?
Sim e não, o que sei que não clarifica nada. É como uma grande e antiga família. E todos nós mantemos muito contato durante nosso hiato. Então, parece que estamos retomando onde nós paramos. Mas uma razão pela qual parece diferente é obviamente por todos os protocolos COVID que estamos seguindo, apenas para ter certeza que todo mundo está seguro.

A personagem que você interpreta, Sarah Cameron, é bem durona. Você também?
Eu não acho que sou. Mas eu definitivamente acho que vivo um pouco vicariamente através de Sarah dessa forma. Especialmente nesta temporada, ela começa a realmente pensar por conta própria, você sabe. Ela parou de seguir o que outras pessoas dizem para ela fazer. E você realmente vê isso acontecendo; você a vê se tornar sua própria pessoa independente. E então, a esse respeito, acho que posso definitivamente me relacionar com ela. Mas definitivamente toma mais riscos, o que é algo que admiro. Eu sinto que às vezes tenho a tendência de segurar minhas cartas perto de mim.

Teve um momento em sua vida que você teve que sair da sua zona de conforto?
Definitivamente, quando saí de casa e me mudei para L.A., que eu nunca tinha ido antes. Esse foi um risco enorme. Mas quando você está naqueles momentos, você não está pensando; você está apenas fazendo. É como se no fundo você soubesse que tinha que fazer aquilo. Então você pensa sobre isso, você fica tipo, ‘Puta merda, não acredito que fiz isso’. Você realmente está dando um passo maior que suas pernas. Para mim foi um grande risco.

Os riscos são mais fáceis de assumir quando você tem uma rede de segurança, como vemos com Sarah.
Sim, definitivamente. Acho que no que diz respeito a Sarah, ela está correndo riscos porque tem John B. Da mesma forma, quando me mudei para L.A., percebi que lar não é necessariamente um lugar; são as pessoas ao seu redor. Você encontra sua comunidade, seu povo, em quem você pode se apoiar. E essa torna-se sua rede de segurança. Os amigos se tornam uma família.

Com certeza. Adoraria falar sobre como você e o elenco puderam se apoiar durante a quarentena.
Nos tornamos muito, muito próximos no verão passado, muito mais do que eu esperava. E é uma coisa muito, muito especial. Alguns de nós ficamos em quarentena juntos, o que é legal. Isso torna tudo mais fácil quando você tem pessoas ao seu redor para passar por isso você e para mantê-lo responsável. Se houver algo errado, ou se um de nós não está bem, estamos lá um para o outro. Ficamos tipo, ‘o que está acontecendo? Você está bem? Vamos conversar a respeito disso. Vamos desabafar’, o que é muito legal. E às vezes é muito necessário.

Um exemplo de momentos bons e ruins que você teve recentemente?
Tendo as experiências contrastantes da série sendo lançada e fazendo o sucesso que tem feito, mas estar em uma quarentena. Eu não acho pudemos, coletivamente, como um elenco, comemorar o que aconteceu. Em relação ao que está acontecendo no mundo, eu acho que isso é pequeno. Outra coisa também é olhar para trás, para a época em que vivendo em L.A., desempregada e vivendo de salário em salário. Não realmente sabendo como iria dividir o salário, se precisaria sacrificar talvez alguns dos meus mantimentos para pagar o aluguel. E então estar no ponto onde estou agora. Essa é um grande choque de realidade. E é uma daquelas coisas em que penso constantemente. Penso sobre isso todos os dias quando eu acordo. É uma das coisas pelas quais sou muito grata. Na vida sempre há picos e vales, e ter esses altos e baixos definitivamente coloca as coisas em perspectiva.

Para um drama adolescente, Outer Banks toca em assuntos bem complexos.
Sim. E eu aprecio que eles não estávamos fugindo de conversas que precisam ser tidas – por mais desconfortáveis ​​que sejam. E eu acho que mesmo como um show adolescente, nosso trabalho como atores é iluminar e não estigmatizar. E eu realmente aprecio meus colegas de elenco porque estamos todos muito, muito em sintonia com o que está acontecendo. E não queríamos marginalizar ninguém ficando em silêncio. Por exemplo, quando Sarah desmorona aquela barreira entre Kooks [pessoas ricas] e Pogues [classe trabalhadora], mostra que a barreira é completamente irrelevante e não deveria estar lá em primeiro lugar. Outro tópico importante são os relacionamentos, especificamente relações tóxicas. É importante para as mulheres jovens ver que se algo não é saudável para você, então vá embora. Para Sarah houve o relacionamento com Topper [seu namorado em Outer Banks]. Mas também o relacionamento com seu pai. Tipo, o que você faz quando você olha para seus pais ou para a figura dos pais e eles não são quem você pensou que eles eram? Isso aconteceu comigo com uma figura adulta em minha vida, quando eu era mais jovem e é bastante devastador.

Então eu entendo como as pessoas se sentem ao ouvir: ‘Não seja boba; não cause alvoroço; não diga qualquer coisa controversa; não diga algo desrespeitoso a uma pessoa mais velha’. E eu não estou dizendo que você deve apenas desrespeitar abertamente todo mundo. Mas você também não deve apenas sorrir e acenar.

Qual é o melhor conselho para se dar ao seu eu de 16 anos?
Eu diria ao meu eu de 16 anos para escolher suas batalhas. Seja paciente com as pessoas e também, ao mesmo tempo, não tenha medo de falar o que pensa.

UM MINUTO COM MADELYN: A atriz responde às nossas perguntas rápidas.

Primeira coisa você pensou nessa manhã? Café.
Última série você maratonou? Money Heist.
Reviravolta favorita na história de um filme? O enredo de O Parasita.
Uma música que você sabe todas as letras? ‘WAP’.
Algo mais as pessoas não sabem sobre você? Sou viciada em videos de ASMR.
O que te estressa? Eu mesma me estresso.
O que relaxa você? Velas e meditação.
Emoji mais comumente usado? O diabinho roxo emoji que está sorrindo.
Aplicativo mais estranho em seu celular? Dumb Ways to Die. É um joguinho divertido que me mantém ocupada por provavelmente cerca de cinco minutos.

Confira as scans em nossa galeria.

Matéria: Ocean Drive.

disclaimer
O Madelyn Cline Brasil é um fã site não-oficial, sem fins lucrativos, e não possui qualquer ligação com Madelyn, sua família ou seus representantes. Todo o conteúdo aqui apresentado, tais como notícias, traduções e gráficos, pertence ao site a não ser que seja informado o contrário. Nós não reivindicamos direito de propriedade sobre nenhuma foto em nossa galeria, as mesmas pertencem aos seus respectivos donos e estão sendo usadas de acordo com a lei americana de Fair Use § 107.
Layout criado e desenvolvido por Lannie.D | Host: flaunt.nu