Seja bem-vindo ao Madelyn Cline Brasil, sua maior e melhor fonte brasileira sobre a atriz Madelyn Cline. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue no menu e divirta-se com todo o nosso conteúdo. Somos um fã site não-oficial, sem fins lucrativos e não possuimos qualquer ligação com Madelyn Cline, sua família ou seus representantes. Esperamos que goste e volte sempre!
13.07.21

Por Lindsey Okubo (13 de julho de 2021).

Madelyn Cline – a atriz de 23 anos e estrela da série original Outer Banks da Netflix – largou a faculdade e saiu de casa aos dezoito anos. Ela queria ser uma versão de si mesma que não estava acorrentada à previsibilidade do conforto, então ela foi para o oeste, para Los Angeles, onde uma série de eventos fortuitos a viu conseguir o papel principal em Outer Banks e, consequentemente, viajar de volta para a Carolina do Sul, onde se passa a série.

Sair de casa a fez ser quem é e ao mesmo tempo quebrou Cline; ela morava em carros, chorava em silêncio e muitas vezes questionava sua decisão enquanto o sol se punha no oceano Pacífico. Mas, ao voltar para a Carolina do Sul, ela descobriu que já era outra pessoa. Endurecida por suas experiências, esta jornada circular deu origem a uma percepção: casa não é uma questão de localização, é “ter as pessoas certas ao seu redor”. Agora, ao lado de sua família e de uma comunidade unida formada no set, a ambição de Cline se cristalizou em uma versão de si mesma que ela realmente reconhece.

Ei Madelyn, como está indo?
Estou bem, muito bem.

Podemos começar com Outer Banks trazendo você de volta ao seu estado natal? Deve ter sido estranho vê-lo através dos olhos da seu personagem desta vez.
Quando saí de casa na Carolina do Sul, um pouco fora de Charleston, eu meio que corri para as montanhas. Eu estava determinada a nunca mais voltar. Eu tinha largado a faculdade e não tinha certeza do que iria acontecer, mas pensei: “Foda-se, vamos tentar”. Outer Banks acabou me trazendo de volta e eu não fiquei muito feliz no início, mas acabou realmente tirando o tapete debaixo de mim, porque me apaixonei de novo por minha origem. Para mim, casa significa ter as pessoas certas ao seu redor, não se tratava de um local em si, era sobre a comunidade.

O que te fez querer sair de casa inicialmente? Sendo do Havaí, eu amava lá, mas queria viver na cidade grande e, de certa forma, queria ser uma versão diferente de mim mesma.
Eu acho que você acertou em cheio. Para começar, sou uma pessoa muito inquieta, e essa é uma das razões pelas quais adoro o meu trabalho, porque nunca fico muito tempo no mesmo lugar. Eu estava neste lugar onde eu estava tipo, “Eu estou aqui há dezoito anos,” e eu não queria que minha vida fosse a mesma que era. Portanto, tomei a medida mais drástica possível e me mudei para o mais longe que pude. Tive que crescer muito rápido porque não estava cercada pelo sistema de apoio que tinha, e muitas vezes pensei que tinha tomado uma decisão precipitada, porque sentia falta do que era confortável. Mas é como aquele velho ditado cafona de que tudo que vale a pena está fora da sua zona de conforto. Eu amo muito mais a pessoa que sou agora do que a pessoa que deixei para trás. Isso não quer dizer que não amei a pessoa que deixei na Carolina do Sul, mas às vezes penso nela e gostaria de poder ajudá-la de uma forma que as pessoas ao seu redor não podiam. Não sei se estava fugindo de alguma coisa, mas estava correndo para fazer algo de mim mesma.

Você já falou sobre encontrar sua voz por meio de seu envolvimento em Outer Banks, o que você quer dizer com isso?
Acho que o que aprendi é que o mais importante para mim é abordar o máximo que posso nesta vida com empatia e falar abertamente. Muitas vezes, enquanto crescia, sentia a necessidade de não falar nada, colocava um sorriso no rosto mesmo que não me sentisse confortável, apenas para evitar conflitos. Acho que às vezes ter sido criada no Sul tem um pouco de influência sobre isso, e o medo do conflito acabou sendo uma barreira para a comunidade e a amizade. Falar abertamente foi uma mudança muito positiva em minha vida, e outras pessoas podem se beneficiar se você for honesto com elas.

É interessante que a empatia seja tão importante para você porque é uma parte essencial do trabalho de um ator, mas não é necessariamente algo que você possa aprender ou ser ensinada. Também significa algo diferente para cada pessoa.
Eu acho que realmente começou para mim no colégio, minha matéria favorita era inglês e uma das minhas coisas favoritas era análise de personagem. Sempre fui fascinada pelo comportamento humano. Às vezes, se for tomada uma decisão ou escolha que inicialmente não consigo entender, ou que fere os sentimentos de alguém, meu primeiro instinto é insistir nisso e, ao fazê-lo, tento obter um entendimento. Às vezes, isso me faz perdoar demais e pode ser um pouco prejudicial à saúde, porque não consigo racionalizar para estabelecer limites. As pessoas nem sempre querem explorar suas próprias vulnerabilidades emocionais, mas podem ser ensinadas a ter empatia.

É realmente olhar para as diferenças entre compreensão e aceitação. Parece que você faz muito trabalho emocional e, ao fazê-lo, você realmente fica vulnerável?
Eu amo essas conversas. Amo colocar tudo na mesa. Quando me mudei para LA, eu não estava totalmente preparada para o quão esgotada emocionalmente seria ir para um lugar de alta energia com tantas pessoas diferentes e tantas personalidades diferentes. Quando você ainda está aprendendo sobre si mesma, você meio que reflete as energias das outras pessoas ao seu redor e, então, quando cheguei aqui, me senti realmente perdida porque estava absorvendo muito disso. Percebi que seria muito importante para mim encontrar pessoas que tivessem os mesmos interesses que eu e que gostariam de ter essas conversas. Definitivamente, não confio tanto quanto confiava antes, apenas pelo fato de ter me queimado com certos relacionamentos. Mas, ao mesmo tempo, você pode se desligar completamente de uma situação e se curar, ou continuar vulnerável e em contato com essas emoções. Eu escolho ativamente o último, parece mais humano e ajuda na minha carreira. Você aprende como se proteger sem colocar paredes.

Sempre digo que a estabilidade é produto do risco. Todos tentam incorporar uma imagem composta e perfeita que ainda pareça despreocupada – especialmente online. A mídia social foi realmente a única maneira de avaliar a reação da série, uma vez que foi lançado durante a quarentena em muitos lugares.
Crescendo, eu lia o rosto das pessoas para avaliar uma reação positiva ou negativa e queria que as pessoas gostassem de mim. Quando você está se firmando no mundo, não percebe que não há liberdade em fazer todo mundo feliz e que não é humano ser perfeito. Assim que a série foi lançada, houve uma grande e ampla resposta coletiva nas redes sociais e foi extremamente positiva, mas é claro que algumas (respostas) não foram. Eu tive que perceber que estou interpretando um personagem, e se meu personagem está criando uma resposta em alguém para sentir de alguma forma, então estou fazendo meu trabalho. Há muita liberdade em saber disso. Não é meu trabalho fazer as pessoas felizes e, no final do dia, está tudo bem, porque se estou vivendo minha vida para mim mesma, então sou feliz.

É interessante quando você percebe que a felicidade é subjetiva e, para você, eu sinto que tem a ver com esse senso de comunidade, mas isso também é subjetivo.
Com a mídia social, você encontrará todas essas subculturas dentro de aplicativos, e é engraçado porque eu poderia fazer uma referência obscura relacionada ao TikTok e oito em cada dez pessoas provavelmente entenderiam. Hoje em dia você tem esse amplo senso de comunidade e então o reduz para as pessoas ao seu redor. A mídia social é grande, é todo mundo. Existem tantas opiniões circulando e eu acho que é realmente útil ver e aprender com outras pessoas de outras esferas da vida que você normalmente não está por perto. Em seguida, para o meu grupo de amigos, comunidade significa estar perto de pessoas que estão animadas por você quanto você por elas. Isso não significa necessariamente que tenhamos que falar o tempo todo, não significa que tenhamos que estar sempre enviando mensagens de texto, trata-se de encontrar pessoas que irão corresponder.

E você também quer sentir uma sensação de longevidade com isso. É estranho como a longevidade se tornou estranhamente sinônima de coisas como relevância, o que de alguma forma se torna uma conversa sobre idade.
Estive no TikTok algumas vezes e, por definição, fui chamado de ‘velha’ porque o Vine agora é uma referência que a os millenials fazem ou encontrarei vídeos zombando eles. Obviamente, é tudo divertido e engraçado, mas é interessante que parece que tudo está se concretizando com essa ascensão da ‘mídia rápida’, é tipo, o que pode prender nossa atenção antes de passar para a próxima coisa? É definitivamente um pouco assustador ver isso pelo outro lado. Com a série que estreou no ano passado, você vê como é rápida a rotatividade no entretenimento.

Como você processa o envelhecimento em geral, porque a maturação é uma coisa totalmente diferente? Tentamos ser quase tão jovens quanto podemos, enquanto podemos, mas até que ponto podemos amadurecer enquanto ainda somos jovens?
Existe esse estigma de ser mais velho. Eu vi esse meme outro dia e alguém disse as pessoas realmente esperam que as mulheres se transformem em bruxas quando fizerem 30 anos? Existe esse estigma em torno de não ter vinte e poucos anos e, uma vez que você passa disso, é hora de se acomodar ou algo assim. Existem essas expectativas onde esta é a idade para isso, ou o tempo para aquilo. Sou jovem, tenho 23 anos e estou gostando de estar na casa dos vinte, mas algumas das pessoas mais incríveis que conheci são mais velhas do que eu e eu as admiro porque mantiveram sua energia e alegria de viver. Amadurecer é algo diferente. Não tenho necessariamente medo disso porque penso no que sei agora em comparação com o que sabia há três anos e estou animada.

Confira o photoshoot completo feito por Doug Inglish em nossa galeria.

Matéria: Hero Summer Zine 5.

disclaimer
O Madelyn Cline Brasil é um fã site não-oficial, sem fins lucrativos, e não possui qualquer ligação com Madelyn, sua família ou seus representantes. Todo o conteúdo aqui apresentado, tais como notícias, traduções e gráficos, pertence ao site a não ser que seja informado o contrário. Nós não reivindicamos direito de propriedade sobre nenhuma foto em nossa galeria, as mesmas pertencem aos seus respectivos donos e estão sendo usadas de acordo com a lei americana de Fair Use § 107.
Layout criado e desenvolvido por Lannie.D | Host: flaunt.nu