Seja bem-vindo ao Madelyn Cline Brasil, sua maior e melhor fonte brasileira sobre a atriz Madelyn Cline. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue no menu e divirta-se com todo o nosso conteúdo. Somos um fã site não-oficial, sem fins lucrativos e não possuimos qualquer ligação com Madelyn Cline, sua família ou seus representantes. Esperamos que goste e volte sempre!

Por Sydney Bucksbaum (23 de julho de 2021).

Tudo é justo no amor e na caça ao tesouro.

Quando Outer Banks retornar em toda sua glória ensolarada para a 2ª temporada (30 de julho), muita coisa terá mudado para os amados Pogues. Kiara (Madison Bailey), JJ (Rudy Pankow) e Pope (Jonathan Daviss) passaram de viver todo o verão em uma caça ao ouro de alto risco para começar um novo ano escolar e lamentar seus melhores amigos John B (Chase Stokes) e Sarah (Madelyn Cline), que eles acreditam ter morrido na tempestade final da primeira temporada. O que eles não sabem é que John B e Sarah estão realmente vivos e bem, a caminho das Bahamas para continuar sua caça ao ouro do Royal Merchant. Portanto, embora algumas coisas possam parecer diferentes nesta temporada – como os Pogues trocando trajes de banho por suéteres e calças conforme o tempo fica mais frio – algumas coisas nunca vão mudar para esses adolescentes caçadores de tesouros.

E isso significa que todo o romance e aventura que você amou na 1ª temporada estão de volta e ainda mais intensos dessa vez. Enquanto John B e Sarah vão para Nassau, eles têm mais do que roubar o ouro em suas mentes. “Será interessante ver como John B e Sarah vão se virar nas Bahamas, levando em consideração o fato de que ele está perdidamente apaixonado por essa garota, mas ele recentemente iniciou um relacionamento com ela”, disse Stokes à EW. “Além disso, há todas as coisas que ela perdeu ao longo do caminho para apoiar John B. E as coisas que ela aprendeu sobre sua família que ela não tinha ideia a vida toda.”

Cline ri ao apontar como isso é “realmente muito para qualquer um”, quanto mais um jovem adolescente começando um novo relacionamento. Sarah vai estar lutando com seu novo estilo de vida Pogue em conflito com sua criação Kook e deixando para trás a família que a criou para esta nova família de amigos. “É a batalha entre a segurança e a rede de proteção e saber que, se ela escolher sua família, ela será cuidada, mas moralmente isso não lhe cai bem”, diz ela. “Nós a vemos realmente lutar com essa decisão.”

Isso significa que nem tudo será glitter e ouro para este novo casal, não importa o quão apaixonados eles possam parecer no início da 2ª temporada. E Stokes avisa que assistir John B e Sarah navegando neste próximo capítulo trará novos problemas para eles que eles não previram.

“É sempre divertido quando você vê essas histórias de amor jovem”, diz Stokes. “Acho que eles se conhecem melhor do que o público acredita. Mas esse relacionamento aconteceu muito rápido e, portanto, a segunda temporada vai definitivamente testá-los. Eles não se conhecem como parceiros, eles só se conhecem como vivendo do outro lado dos trilhos e pessoas que não necessariamente se comunicam. Agora que essas barreiras foram quebradas e estamos vendo esses dois indivíduos que se apaixonaram, a vida acaba alcançando inevitavelmente, especialmente se você está preso ao trauma. Em algum momento, você tem que enfrentar a realidade e há partes dessas pessoas que eles deveriam aprender sobre.”

Cline avisa que haverá “altos e baixos” para o relacionamento de Sarah e John B nesta temporada, talvez mais do que os fãs estejam esperando. “O que eu gosto porque não queria que o relacionamento deles fosse perfeito”, diz ela. “É essa história maior do que a vida e essa história de amor maior do que a vida – eles são como esses novos amantes onde tudo parece perfeito e tudo é dourado. E eu não queria que continuasse assim. Eu queria que houvesse algum conflito. A realidade meio que dá um tapa na cara deles. Eles são atingidos pela realidade do fato de que estão no meio neste romance turbulento, e isso é real? Vai durar?”

De volta aos EUA, Kiara e Pope se beijaram no final da primeira temporada. Então, o que está acontecendo com eles na 2ª temporada – eles estão namorando ou o quê? “Pope começa esta temporada lamentando seu amigo. Ele espera descobrir o que quer que seja [aquele beijo] com Kiara, mas tudo o que eles passaram está pesando sobre eles”, disse Daviss. “Ao longo da temporada, vamos vê-los descobrindo o que são um para o outro, eles estão se movimentando e tentando ajudar a outra pessoa e explorar o que isso significa e ver como é quando eles estão juntos. E eles tiveram essa resposta este ano.”

Antes da 2ª temporada, Bailey falou longamente com os showrunners sobre onde o relacionamento de Kiara e Pope estava indo nesta temporada. “Nós conversamos muito sobre como seria, e nesta temporada eu e Pope definimos nosso relacionamento”, disse Bailey. “Eu meio que tive a mesma conversa com os escritores sobre esta temporada estar realmente mais focada na influência Pogue / Kook de Kiara e ver mais da minha vida familiar e ver de onde vem essa divisão [para ela]. Eu estava animada e estou ansiosa para ver isso um pouco mais.”

Ela acrescenta que, embora “haja tanta coisa acontecendo nesta temporada, há tanta ação”, ela ficou feliz em ver como “também há muito mais cenas emocionais com os Pogues, cenas emocionantes com nossas famílias e coisas assim”.

“Eu acho que é realmente importante estar ali para esses personagens”, diz Bailey. “Nós definitivamente vemos o quão profunda é a lealdade de Kiara nesta temporada e como ela é dedicada aos amigos dela.”

Quanto a como JJ está se sentindo sobre Kiara e Pope entrando em um novo tipo de dinâmica, Pankow diz que seu personagem começa a 2ª temporada em depressão – mas não apenas porque ele agora é uma vela. “JJ está se perguntando: ‘Será que vou ficar bem sem John B?’ Por um momento, você questiona se a dinâmica com os Pogues vai durar”, diz Pankow. “Acho que toda a razão pela qual os fãs realmente se relacionaram com os altos e baixos de todos os Pogues é como JJ se sente como se ele só tivesse seus amigos, e isso continua… Eu não acho que relacionamentos estão em sua mente no início da temporada. Ele pode realmente entender por que [Kiara e Pope] precisam um do outro, mas acho que ele está um pouco preocupado em ficar de fora.”

Pankow e Bailey sabem o quão apaixonados alguns fãs de Outer Banks são em shippar JJ e Kiara juntos, mas ambos estão felizes em ir junto com eles onde quer que os escritores levem seus personagens romanticamente ou platonicamente. “Eu não tenho uma quantidade insana de opinião ou preferência”, diz Bailey com uma risada.

“É muito divertido ver os fãs se conectando com os personagens e querendo ver a dinâmica entre eles, isso é bom e divertido”, acrescenta Pankow. “É apenas mais uma validação de que fizemos um bom trabalho em trazer esses personagens à vida.”

Mas chega de romance – vamos falar de tesouro! No início da 2ª temporada, John B está no encalço do pai de Sarah, Ward (Charles Esten) e do ouro roubado do Royal Merchant. “Todas as cartas estão na mesa”, diz Stokes. “Ward sabe que John B sabe de tudo, e Ward está lidando com a realidade de que John B, pelo microfone para toda a força policial e o FBI, deu um testemunho de que Ward é responsável pelo assassinato de seu pai e de que Rafe [Drew Starkey] matou a xerife. Todo mundo está olhando para Ward sob uma luz completamente diferente e o que isso faz? John B realmente não sabe.”

Quando John B chegar às Bahamas, ele se deparará com uma escolha fundamental: ele limpará a lousa e seguirá em frente com Sarah ou continuará sua busca pelo ouro? “Ele está no meio do oceano neste barco com o amor de sua vida e está tentando descobrir qual será seu próximo passo, mas mesmo assim ele ainda tem essa vingança iminente por justiça pela morte de seu pai”, disse Stokes. “Inevitavelmente, isso é algo que moverá qualquer ser humano a tentar encontrar uma solução para todas as circunstâncias malucas que ele enfrentou na primeira temporada.”

Mas conforme a segunda temporada avança, os Pogues se verão envolvidos em uma nova caça ao tesouro com apostas ainda maiores do que a busca pelo ouro do Royal Merchant. “A sensação é muito mais esperançosa nesta temporada”, diz Pankow. “O tesouro em geral é como uma meta, e não como uma necessidade, e quando os Pogues têm uma meta, trabalham melhor. Mas isso é maior do que apenas ganhar e ficar rico.”

Daviss ficou entusiasmado com o arco da caça ao tesouro da 2ª temporada por causa do que isso significa para Pope. “Assim como a missão da última temporada foi pessoal para John B, esta temporada tem uma conexão pessoal com Pope”, diz ele. “Era tudo para mim. Agora há uma coisa ligando Pope ao tesouro, emocionalmente por meio de sua família, e ele tem uma ligação pessoal não apenas em encontrar essa coisa, mas em garantir que a justiça seja feita. Isso torna a caça ao tesouro um caminho objetivo mais pessoal para todos eles, e você sente por que eles estão procurando por isso e por que passariam por todos esses extremos agora.”

Mas Cline avisa que a caça será mais perigosa do que nunca. “Os Pogues não perceberam o quão fundo estavam se metendo em tudo isso”, diz ela. “Eles são confrontados com essa realidade nessa temporada. É apenas um grupo de adolescentes indo atrás desse tesouro que as pessoas vêm procurando há muito tempo. Eles são confrontados com a realidade de que não são os únicos que estavam nisso.”

E Stokes diz que a caça ao tesouro da 2ª temporada é, na verdade, muito mais baseada na realidade. “Tudo o que esses caras passam é algo pesquisado e incrivelmente real”, diz ele. “O que os Pogues pensavam que era uma coisa agora se transformou em uma coisa completamente diferente. Isso definitivamente vai testar sua vontade e vai testar suas habilidades – eles são jovens, mas são muito espirituosos quando se trata de descobrir soluções para essas coisas.”

Há um momento em particular durante a aventura da 2ª temporada que Bailey mal pode esperar que os fãs vejam. “Faz com que todos os nossos personagens entendam que o show não é sobre o ouro, é sobre amizade e família”, diz ela. “Estamos todos mais próximos e percebemos que tudo o que importa é a família. Esse é um arco muito importante para Kiara porque ela sente que esses amigos são sua família.”

Dito como um verdadeiro Pogue.

Matéria: Entertainment Weekly.

Por Lexi Williams (21 de julho de 2021).

Os Pogues estão de volta, pessoal! Quando a primeira temporada de Outer Banks estreou em 15 de abril de 2020 – um mês após o início da pandemia do coronavírus que deixou a maior parte do país preso em casa e colado em suas TVs – ela se tornou um sucesso estrondoso. (Lembra quando todos começaram a usar bandanas ao redor do pescoço para canalizar seu John B interior?) Agora, com a data de lançamento se aproximando (30 de julho), o elenco da segunda temporada de Outer Banks está tão ansioso por seu lançamento quanto a sua vasta base de fãs.

A primeira temporada terminou com uma tonelada de perguntas: John B. (Chase Stokes) e Sarah (Madelyn Cline) chegarão às Bahamas? Kiara (Madison Bailey) e Pope (Jonathan Daviss) se tornarão um casal real, ou eles farão todos os fãs felizes ficando com o JJ (Rudy Pankow)? Será que Ward (Charles Esten) vai se safar roubando o ouro do Royal Merchant… e, você sabe, com o assassinato?

Felizmente, todas – ou pelo menos a maioria das perguntas – serão respondidos na 2ª temporada. Mas até então, Stokes, Cline, Bailey e Pankow (não se preocupe, Daviss ainda está na série; ele simplesmente não estava disponível para essa entrevista) estão revelando alguns detalhes interessantes sobre o que os fãs podem esperar na próxima temporada. Porque os Pogues não mente para Pogues – e na base de fãs do OBX, todo mundo é um Pogue, baby.

Com a segunda temporada quase lançada no mundo, como vocês estão se sentindo?
Chase Stokes: Oh cara, um pouco nervoso. Acho que sempre que você tem uma plataforma que foi criada e você está fazendo isso de novo, há um pouco de nervosismo e expectativa para que ela seja lançada. Filmar durante o COVID foi difícil, mas fizemos um ótimo trabalho em manter todos seguros. Eu acho que a temporada é como a versão ‘irmão mais velho’ da 1ª temporada; existem muitas diferenças, mas no bom sentido. Se você gostou do final da 1ª temporada, a 2ª temporada meio que retorna com a mesma energia caótica.
Rudy Pankow: Vai explodir suas mentes porque é maior, é mais perigosa, e tem mais stunts… mais loucura, mais tipo, “puta merda”. No meio da primeira temporada, você fica tipo, “Oh, eles encontram o ouro.” E então, no meio desta temporada, algo fica ainda mais confuso.
Madelyn Cline: Estou muito nervosa e muito ansiosa para que todos assistam à temporada. Como o Rudy disse, nessa série, eles sempre dão o que você acha que aconteceria no último episódio, no meio da temporada. Eles estão sempre nos mantendo alertas. Enquanto recebíamos os scripts, pensamos: “Espera, o quê?” Nunca é o esperado. Mal posso esperar para ver as reações das pessoas e o que elas têm a dizer sobre isso.
Madison Bailey: Estou pronta para ser lançada. Do jeito que termina – sem spoilers – eu não tenho ideia de como será a terceira temporada. Estou pronta para falar sobre isso com os fãs e ler todas as suas teorias, porque eles se saíram muito bem com suas teorias para a 2ª temporada.

A primeira temporada termina com John B. e Sarah a caminho das Bahamas. Como as aventuras da segunda temporada testarão seu relacionamento?
CS: Ao máximo, eu acho. Começa em uma circunstância em que eles meio que entraram nesse relacionamento louco e super rápido. Agora que isso aconteceu, John B. é procurado por assassinato, Sarah e ele confessam seu amor e vão para a tempestade, e agora são declarados mortos. Como isso muda as coisas? John B. meio que colocou Sarah em uma situação em que ela deixou tudo para trás, por ser jovem e apaixonada. E isso é bom? Isso é ruim? Fiquem ligados no dia 30 de julho para descobrir. É quando suas perguntas serão respondidas.
MC: É uma grande aventura que eles estão, e eles só se conhecem há algumas semanas. Eles realmente não se conhecem muito. Eles aprendem coisas, coisas são esclarecidas. Mas também é uma aventura muito divertida.

Uma das maiores divisões no fandom é sobre com quem Kiara deveria estar: Pope ou JJ. Depois de seu beijo no final da 1ª temporada, Kiara e Pope vão ser um casal agora? E onde isso deixa JJ?
RP: Se você está falando sobre o tipo de ship, então suas respostas virão na 2ª temporada, e elas serão respondidas.
MB: Acho que todos os fãs ficarão felizes, não importa o que aconteça. Deixamos a 1ª temporada com um beijo de Pope e Kiara, e então definitivamente descobriremos o que isso significa na 2ª temporada.

Qual palavra vocês usariam para descrever a 2ª temporada?
RP: Inesperada.
MB: Perigosa.
MC: Ansiedade.
CS: Caótica.

A nova temporada de Outer Banks estará disponível na Netflix dia 30 de julho.

Matéria: Elite Daily.

(AVISO: As imagens podem conter spoilers).

Faltam DEZ DIAS para a segunda temporada de Outer Banks!

Já não aguentamos mais de ansiedade e vontade de ver nossos pogues juntos de novo. Mas a nova temporada não será só de sorrisos e bons momentos. Chase Stokes contou à Entertainment Weekly que será uma ‘montanha russa’. Pelo menos John B e Sarah têm um ao outro enquanto enfrentam este mundo novo juntos. “A grande questão é se eles viverão quase como uma situação do tipo Lagoa Azul ou o problema será encontrá-los mais rápido do que eles imaginam?” – Madelyn Cline conta para o EW em uma entrevista exclusiva.

A coisa mais importante para Sarah nessa temporada é que ela está incrivelmente conflituosa, em conflito sobre o que fazer. Ela se sente em uma obrigação com sua família porque eles a criaram.

Por mais que haja conflitos externos que John B e Sarah tem que lidar nas Bahamas – como seus membros da família malvados e assassinos acumulando seu ouro roubado em algum lugar da ilha – Sarah também estará lutando com alguns grandes problemas internos.

“Eles a moldaram no que ela é até este ponto. Mas então ela está sendo puxada por essa nova família que ela encontrou e encontrou um lar. Para ela, a grande história dessa temporada é o conflito e a sua busca para descobrir o que família significa”, ela conta.

A segunda temporada estará disponível no dia 30 de julho às 4h da manhã na Netflix.

Confira mais fotos em nossa galeria.

Por Duyen Nguyen (16 de julho de 2021).

“Prefiro morrer a ir para a cadeia!
Prefiro morrer do que ficar sem você.”

Os dois se beijaram e uma grande onda veio e anundou o barco em meio à tempestade e à escuridão da noite. Essas são as falas dos dois personagens principais Sarah Cameron e John B nas cenas finais da série Outer Banks. A história de amor dos dois personagens principais do filme é comparada à história de amor de Romeu e Julieta dos dias modernos à beira-mar.

Outer Banks é considerada uma das séries mais assistidas da Netflix no gênero drama adolescente em 2020. A personagem de Sarah Cameron é ninguém menos que Madelyn Cline – a capa do Harper’s Bazaar Vietnã: celebração especial do 10º aniversário.

Em Outer Banks, Madelyn Cline interpreta Sarah Cameron – uma linda garota que acabou de fazer 16 anos. Sarah Cameron é comparada a uma Julieta dos dias modernos. Como filha de uma família rica pertencente à classe alta, Sarah se apaixona por John B – que trabalha para seu pai. Aos olhos dos ricos, John B é um “bad boy”. E, infelizmente, o destino irônico se descobre quando é revelado que o pai de Sarah Cameron foi o único a matar o pai de John B.

Assumindo um papel difícil com muitos desenvolvimentos internos complicados, Madelyn Cline desempenhou o papel de forma excelente. Ela encarna com sucesso a imagem de uma garota de 16 anos que é brincalhona, atraente, inteligente e também cheia de ousadia na escolha entre a família e o amor.

Depois que Outer Banks foi ao ar, Madelyn Cline foi imediatamente notada. Seu nome apareceu nos jornais e se tornou uma nova estrela da Netflix.

Falando sobre o sentimento de como a série foi recebida, Madelyn Cline confidenciou: “Ao filmar a série, eu queria fazer parte dela porque é um projeto significativo. Mas quando Outer Banks foi bem recebida, fiquei surpresa. Tudo é verdadeiramente avassalador da maneira mais inacreditável. Agradeço que as pessoas tenham aceitado a série e minha personagem.”

Recentemente, a Netflix anunciou que lançará a parte 2 de Outer Banks no final de julho de 2021. Madelyn Cline repetirá seu papel como Sarah Cameron. Ela revelou um pouco sobre a 2ª temporada para a Harper’s Bazaar:

“Nós nos divertimos muito juntos no set e fora dele. Somos realmente um grupo especial e tenho orgulho de estar com eles. Na segunda temporada, minha personagem Sarah terá mudanças. Ela não ouve mais facilmente as palavras de outras pessoas. Sarah começou a aprender a controlar sua própria história e a dizer não. Também haverá muitos eventos na família Cameron que afetarão Sarah.”

No episódio final de Outer Banks, Sarah Cameron deu uma guinada ousada quando decidiu deixar sua família rica para seguir o chamado do amor. Ela não hesitou em denunciar o pai na frente do amante e dizer “ele é um mentiroso”. Ela voluntariamente disse que “preferia morrer do que ficar sem você”. Esta decisão de Sarah Cameron significa abrir mão de seu status de rica para se tornar uma garota da classe trabalhadora.

Parece que a personalidade de Madelyn Cline também tem semelhanças com Sarah Cameron. Ela também tomou decisões ousadas em sua vida para se tornar uma atriz como ela é agora. Madelyn Cline nasceu em 1997, em Charleston, Carolina do Sul, EUA. Dizem que sua família é de uma classe média. A mãe de Madelyn Cline era uma corretora imobiliária em Charleston. Seu pai – Mark Cline é um engenheiro de encanamento.

Aos 10 anos, a pequena Madelyn Cline começou a modelar. Ela costuma passar os verões em Nova York como modelo para a televisão e anúncios impressos de várias marcas. Ela também foi modelo de capa da revista American Girl. Aos 19 anos, enquanto estudava na Coastal Carolina University, Madelyn Cline decidiu abandonar a faculdade para seguir a carreira de atriz. Ela se mudou para Los Angeles, Califórnia. Esta decisão foi contra a vontade de seus pais, mas vendo Madelyn Cline determinada, eles acabaram apoiando a sua filha.

Antes de fazer Outer Banks,  Madelyn participou de vários outros projetos de filmes, como: Stranger Things (como Tina); Boy Erased (como Chloe) e Vice-Principals (como Taylor Watts); The Originals (como Jessica). Agora que alcançou o sucesso como atriz, Madelyn Cline planeja aprender outro idioma. “Eu adoraria voltar para a universidade um dia e me formar. Mas vou continuar a perseguir projetos cinematográficos interessantes. Também tenho o sonho de abrir uma padaria. Mas agora estou apenas me concentrando no que tenho.”

Após o sucesso de Outer Banks, Madelyn Cline continua a ser convocada pela Netflix para um elenco de estrelas de classe A. Embora não se saiba qual papel desempenhará no filme Knives Out 2, Madelyn se juntará ao elenco com nomes como: Kate Hudson, Kathryn Hahn, Dave Bautista, Janelle Monae, Edward Norton (Clube da Luta); e Leslie Odom Jr. O personagem detetive de Daniel Craig, Benoit Blanc, também retornará.

Falando sobre o projeto Knives Out 2 , Madelyn Cline compartilhou: “Estou muito animada com este projeto. Knives Out é meu filme favorito. Era impensável que eu estivesse prestes a fazer parte desse grande projeto.”

Knives Out 2 começa a ser filmado em junho de 2021 na Grécia. O filme deve ser lançado em 2022.

Estrela da capa: Madelyn Cline @madelyncline
Fotografia / Direção criativa: Sarah Krick  @sarahkrickphotography
Estilista: Mimi Cuttrell  @mimicuttrell
Cabelo: Rena Calhoun  @ rena.calhoun
Maquiagem: Jenna Kristina  @jennakristina
Set Designer: Francis Cardinale @f_cardinalesetdesign

Produção: Cory Couture Productions  @corycoutureproductions & Kricket Productions

Confira o photoshoot em nossa galeria.

Matéria: Harper's Bazaar Vietnam.

Por Lindsey Okubo (13 de julho de 2021).

Madelyn Cline – a atriz de 23 anos e estrela da série original Outer Banks da Netflix – largou a faculdade e saiu de casa aos dezoito anos. Ela queria ser uma versão de si mesma que não estava acorrentada à previsibilidade do conforto, então ela foi para o oeste, para Los Angeles, onde uma série de eventos fortuitos a viu conseguir o papel principal em Outer Banks e, consequentemente, viajar de volta para a Carolina do Sul, onde se passa a série.

Sair de casa a fez ser quem é e ao mesmo tempo quebrou Cline; ela morava em carros, chorava em silêncio e muitas vezes questionava sua decisão enquanto o sol se punha no oceano Pacífico. Mas, ao voltar para a Carolina do Sul, ela descobriu que já era outra pessoa. Endurecida por suas experiências, esta jornada circular deu origem a uma percepção: casa não é uma questão de localização, é “ter as pessoas certas ao seu redor”. Agora, ao lado de sua família e de uma comunidade unida formada no set, a ambição de Cline se cristalizou em uma versão de si mesma que ela realmente reconhece.

Ei Madelyn, como está indo?
Estou bem, muito bem.

Podemos começar com Outer Banks trazendo você de volta ao seu estado natal? Deve ter sido estranho vê-lo através dos olhos da seu personagem desta vez.
Quando saí de casa na Carolina do Sul, um pouco fora de Charleston, eu meio que corri para as montanhas. Eu estava determinada a nunca mais voltar. Eu tinha largado a faculdade e não tinha certeza do que iria acontecer, mas pensei: “Foda-se, vamos tentar”. Outer Banks acabou me trazendo de volta e eu não fiquei muito feliz no início, mas acabou realmente tirando o tapete debaixo de mim, porque me apaixonei de novo por minha origem. Para mim, casa significa ter as pessoas certas ao seu redor, não se tratava de um local em si, era sobre a comunidade.

O que te fez querer sair de casa inicialmente? Sendo do Havaí, eu amava lá, mas queria viver na cidade grande e, de certa forma, queria ser uma versão diferente de mim mesma.
Eu acho que você acertou em cheio. Para começar, sou uma pessoa muito inquieta, e essa é uma das razões pelas quais adoro o meu trabalho, porque nunca fico muito tempo no mesmo lugar. Eu estava neste lugar onde eu estava tipo, “Eu estou aqui há dezoito anos,” e eu não queria que minha vida fosse a mesma que era. Portanto, tomei a medida mais drástica possível e me mudei para o mais longe que pude. Tive que crescer muito rápido porque não estava cercada pelo sistema de apoio que tinha, e muitas vezes pensei que tinha tomado uma decisão precipitada, porque sentia falta do que era confortável. Mas é como aquele velho ditado cafona de que tudo que vale a pena está fora da sua zona de conforto. Eu amo muito mais a pessoa que sou agora do que a pessoa que deixei para trás. Isso não quer dizer que não amei a pessoa que deixei na Carolina do Sul, mas às vezes penso nela e gostaria de poder ajudá-la de uma forma que as pessoas ao seu redor não podiam. Não sei se estava fugindo de alguma coisa, mas estava correndo para fazer algo de mim mesma.

Você já falou sobre encontrar sua voz por meio de seu envolvimento em Outer Banks, o que você quer dizer com isso?
Acho que o que aprendi é que o mais importante para mim é abordar o máximo que posso nesta vida com empatia e falar abertamente. Muitas vezes, enquanto crescia, sentia a necessidade de não falar nada, colocava um sorriso no rosto mesmo que não me sentisse confortável, apenas para evitar conflitos. Acho que às vezes ter sido criada no Sul tem um pouco de influência sobre isso, e o medo do conflito acabou sendo uma barreira para a comunidade e a amizade. Falar abertamente foi uma mudança muito positiva em minha vida, e outras pessoas podem se beneficiar se você for honesto com elas.

É interessante que a empatia seja tão importante para você porque é uma parte essencial do trabalho de um ator, mas não é necessariamente algo que você possa aprender ou ser ensinada. Também significa algo diferente para cada pessoa.
Eu acho que realmente começou para mim no colégio, minha matéria favorita era inglês e uma das minhas coisas favoritas era análise de personagem. Sempre fui fascinada pelo comportamento humano. Às vezes, se for tomada uma decisão ou escolha que inicialmente não consigo entender, ou que fere os sentimentos de alguém, meu primeiro instinto é insistir nisso e, ao fazê-lo, tento obter um entendimento. Às vezes, isso me faz perdoar demais e pode ser um pouco prejudicial à saúde, porque não consigo racionalizar para estabelecer limites. As pessoas nem sempre querem explorar suas próprias vulnerabilidades emocionais, mas podem ser ensinadas a ter empatia.

É realmente olhar para as diferenças entre compreensão e aceitação. Parece que você faz muito trabalho emocional e, ao fazê-lo, você realmente fica vulnerável?
Eu amo essas conversas. Amo colocar tudo na mesa. Quando me mudei para LA, eu não estava totalmente preparada para o quão esgotada emocionalmente seria ir para um lugar de alta energia com tantas pessoas diferentes e tantas personalidades diferentes. Quando você ainda está aprendendo sobre si mesma, você meio que reflete as energias das outras pessoas ao seu redor e, então, quando cheguei aqui, me senti realmente perdida porque estava absorvendo muito disso. Percebi que seria muito importante para mim encontrar pessoas que tivessem os mesmos interesses que eu e que gostariam de ter essas conversas. Definitivamente, não confio tanto quanto confiava antes, apenas pelo fato de ter me queimado com certos relacionamentos. Mas, ao mesmo tempo, você pode se desligar completamente de uma situação e se curar, ou continuar vulnerável e em contato com essas emoções. Eu escolho ativamente o último, parece mais humano e ajuda na minha carreira. Você aprende como se proteger sem colocar paredes.

Sempre digo que a estabilidade é produto do risco. Todos tentam incorporar uma imagem composta e perfeita que ainda pareça despreocupada – especialmente online. A mídia social foi realmente a única maneira de avaliar a reação da série, uma vez que foi lançado durante a quarentena em muitos lugares.
Crescendo, eu lia o rosto das pessoas para avaliar uma reação positiva ou negativa e queria que as pessoas gostassem de mim. Quando você está se firmando no mundo, não percebe que não há liberdade em fazer todo mundo feliz e que não é humano ser perfeito. Assim que a série foi lançada, houve uma grande e ampla resposta coletiva nas redes sociais e foi extremamente positiva, mas é claro que algumas (respostas) não foram. Eu tive que perceber que estou interpretando um personagem, e se meu personagem está criando uma resposta em alguém para sentir de alguma forma, então estou fazendo meu trabalho. Há muita liberdade em saber disso. Não é meu trabalho fazer as pessoas felizes e, no final do dia, está tudo bem, porque se estou vivendo minha vida para mim mesma, então sou feliz.

É interessante quando você percebe que a felicidade é subjetiva e, para você, eu sinto que tem a ver com esse senso de comunidade, mas isso também é subjetivo.
Com a mídia social, você encontrará todas essas subculturas dentro de aplicativos, e é engraçado porque eu poderia fazer uma referência obscura relacionada ao TikTok e oito em cada dez pessoas provavelmente entenderiam. Hoje em dia você tem esse amplo senso de comunidade e então o reduz para as pessoas ao seu redor. A mídia social é grande, é todo mundo. Existem tantas opiniões circulando e eu acho que é realmente útil ver e aprender com outras pessoas de outras esferas da vida que você normalmente não está por perto. Em seguida, para o meu grupo de amigos, comunidade significa estar perto de pessoas que estão animadas por você quanto você por elas. Isso não significa necessariamente que tenhamos que falar o tempo todo, não significa que tenhamos que estar sempre enviando mensagens de texto, trata-se de encontrar pessoas que irão corresponder.

E você também quer sentir uma sensação de longevidade com isso. É estranho como a longevidade se tornou estranhamente sinônima de coisas como relevância, o que de alguma forma se torna uma conversa sobre idade.
Estive no TikTok algumas vezes e, por definição, fui chamado de ‘velha’ porque o Vine agora é uma referência que a os millenials fazem ou encontrarei vídeos zombando eles. Obviamente, é tudo divertido e engraçado, mas é interessante que parece que tudo está se concretizando com essa ascensão da ‘mídia rápida’, é tipo, o que pode prender nossa atenção antes de passar para a próxima coisa? É definitivamente um pouco assustador ver isso pelo outro lado. Com a série que estreou no ano passado, você vê como é rápida a rotatividade no entretenimento.

Como você processa o envelhecimento em geral, porque a maturação é uma coisa totalmente diferente? Tentamos ser quase tão jovens quanto podemos, enquanto podemos, mas até que ponto podemos amadurecer enquanto ainda somos jovens?
Existe esse estigma de ser mais velho. Eu vi esse meme outro dia e alguém disse as pessoas realmente esperam que as mulheres se transformem em bruxas quando fizerem 30 anos? Existe esse estigma em torno de não ter vinte e poucos anos e, uma vez que você passa disso, é hora de se acomodar ou algo assim. Existem essas expectativas onde esta é a idade para isso, ou o tempo para aquilo. Sou jovem, tenho 23 anos e estou gostando de estar na casa dos vinte, mas algumas das pessoas mais incríveis que conheci são mais velhas do que eu e eu as admiro porque mantiveram sua energia e alegria de viver. Amadurecer é algo diferente. Não tenho necessariamente medo disso porque penso no que sei agora em comparação com o que sabia há três anos e estou animada.

Confira o photoshoot completo feito por Doug Inglish em nossa galeria.

Matéria: Hero Summer Zine 5.

disclaimer
O Madelyn Cline Brasil é um fã site não-oficial, sem fins lucrativos, e não possui qualquer ligação com Madelyn, sua família ou seus representantes. Todo o conteúdo aqui apresentado, tais como notícias, traduções e gráficos, pertence ao site a não ser que seja informado o contrário. Nós não reivindicamos direito de propriedade sobre nenhuma foto em nossa galeria, as mesmas pertencem aos seus respectivos donos e estão sendo usadas de acordo com a lei americana de Fair Use § 107.
Layout criado e desenvolvido por Lannie.D | Host: flaunt.nu